Pois é né galera, não sei se viram mas agora não precisa mais de Diploma para ser Jornalista. E pensando nisso lembrei o que minha mãe sempre diz {pra variar é corujisse neah!}: Ah Filha, você escreve tão bem… acho que você daria uma boa jornalista.

Bem, mas como minha paixão é outra, e se eu fosse obrigada a fazer isso {mesmo que ganhando dinheiro} eu não faria bem, ainda mais levando em conta que elogio de mãe não conta. ;P

Mas voltanto ao assunto sério… WTF!? não precisa mais de Diploma, como assim, véi? Pois é, de acordo com o Decreto-lei nº 972, de 17 de Outubro de 1969, o Jornalista tinha vários deveres e poderes e nesse decreto existe o seguinte artigo {ou sei lá o nome que leva essa frase a seguir ;P}:

Art. 4º- O exercício da profissão de jornalista requer prévio registro no órgão regional competente do Ministério do Trabalho e Previdência Social que se fará mediante a apresentação de :
I- prova de nacionalidade brasileira;

[…]

V- diploma de curso superior de Jornalismo, oficial ou reconhecido, registrado no Ministério da Educação e Cultura ou em instituição por este credenciada, para as funções relacionadas de “a” a “g “, no artigo 6º. § 1º ( Revogado pela Lei 6.612 de 07/12/78) {esse negócio aqui, que pelo visto foi revogado em 78 (?) dizia que o Jornalista precisa(va) ter um diploma.}

Mas, uma coisa que ninguém lembra {pois infelizmente brasileiro tem memória curta}, é que em 2007 diziam {as leis} que precisava sim de um Diploma para Tribunal Superior do Trabalho aceitar como um profissional da área.

E agora, após uma votação no Supremo Tribunal Federal, foi decidido que o Diploma não é mais exigido pois, qualquer um deve poder atuar de forma livre na comunicação {eles usaram palavras mais bonitas, mas em si, é isso aí}.

Confuso né? Por isso prefiro não me meter com as leis.

coitado, se for jornalista tá ferrado {Img: Corbis}

coitado, se for jornalista tá ferrado {Img: Corbis}

Tá, mas e o Kiko?

Bem, então imaginem vocês, se o Kiko {marido da Kika} entrasse para o ramo do Jornalismo… esse que não tem diploma {nem de uma faculdade renomada nem de uma Uni-esquina}, começa a contar-lhe as notícias em rede televisiva. Há de se duvidar da integridade da informação.

Tá, mas e o Kiko?

Então o Kiko resolve falar sobre a gripe Suína, o nosso novo inimigo número um, e acaba por dizer que não há riscos de contágio; ao contrário do que todos pensavam, a epidemia não existe e assim vai. Ficamos despreocupados demais e imagine o resto… {a epidemia se estabelece de forma catastrófica}. O Kiko fez como que todos ficassem doentes.

Porém,

Um dos sabe-tudo do STF {Supremo Tribunal Federal}, chamado Gilmar Mendes, acha que: as notícias inverídicas são grave desvio da conduta e problemas éticos que não encontram solução na formação em curso superior do profissional.

Eu não faço Jornalismo para saber com exatidão como é o curso, porém eu fui procurar para saber e eis aqui uma grade curricular do curso. Se olharem com atenção, mais para o fim da lista haverá a matéria denominada: Ética e Legislação em Jornalismo.

Com isso, concluo que, em algum casos os desvios de conduta na profissão não serão ‘curados’, porém através do curso, e por fim o diploma, haverá uma forma de provar que o cidadão foi avisado do que é correto, podendo e DEVENDO ser advertido pela sua má intenção.

Porém, a partir do momento em que o diploma não é exigido, não poderemos fazer cobrança de integridade do jornalista, já que não podemos provar que este sabia do seu dever com a verdade.

Contudo…

Pegando o que a Pénelope Nova {sim, a tatuadona do MTV na rua} disse {ela não falou exatamente isso, mas uni a frase da garota interrogada e a dela em uma só pergunta}: Mas se o fulaninho estudou numa Uni-esquina, qual é a garantia que eu tenho que este vai estar tão apto quanto aquele de uma universidade renomada? Ou ainda mais, quem diz que este não é pior que um cidadão sem diploma?

A garota na hora ficou sem palavras, mas eu digo: É um grave problema, porém é incumbido ao MEC, a avaliação e o fechamento do curso, se este de má qualidade, nas Uni-esquinas, impedindo que a Faculdade seja a culpada pelo mau profissional.

Concluindo: EU acho que é necessário sim o diploma para e exerção do jornalismo remunerado, pois com esta comprovação podemos exigir integridade dos jornalistas. E para não tirar o direito de todo cidadão de usar da palavra ou qualquer outro recurso para transmitir informações, notícias e afins, existe o não remunerado, informal: blogs, sites, orkut, twitter, myspace, facebook e assim vai. Ninguém é impedido de se comunicar, e isso não exige um diploma. E que o MEC se encarregue de fechar Uni-esquinas e seus cursos de má qualidade.

E tenho dito! Qualquer opinião diferente gostaria muito de ouvir {ler}.

;kiss